Portal 61 Brasília - Cerca de 8 milhões de pessoas no mundo morrem pelo uso de tabaco

Imprimir
Além de doenças pulmonares, a substância é prejudicial ao coração 
Celebrado em 31 de maio, o Dia Mundial Sem Tabaco foi criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com o objetivo de alertar sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo. Na data, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e demais Estados se reúnem e executam campanhas de alerta para toda a população.

 

De acordo com a OMS, 8 milhões de pessoas morrem anualmente pelo tabagismo; destas, 1,2 milhões são vítimas de fumo passivo. O uso de tabaco é associado a diversos tipos de câncer, além de causar problemas pulmonares e ser também um dos maiores inimigos para a saúde do coração.

Conforme pontua o cardiologista hemodinamicista do Instituto do Coração de Taguatinga (ICTCor), Evandro Osterne, as consequências e ações negativas do tabaco na saúde são de conhecimento público. Contudo, na parte cardiovascular, o uso da substância pode diminuir a produção do óxido nítrico, que é uma substância protetora tanto para os vasos sanguíneos quanto para o coração.

“A substância encontrada nos derivados do tabaco, age diretamente no aumento da contração dos vasos sanguíneos, o que acelera a frequência cardíaca e aumenta a pressão arterial. É importante ressaltar que alguns efeitos do fumo no organismo são irreversíveis. Quem faz uso do cigarro, por exemplo, pode vir a ter além das doenças pulmonares, as cardiovasculares como o Infarto Agudo do Miocárdio; Acidente Vascular Cerebral (AVC); Arritmias Cardíacas, entre outras”, explica.

Tratamento Multidisciplinar é um caminho

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que o tabagismo deve ser considerado uma pandemia, ou seja, uma epidemia generalizada, e como tal precisa ser combatida. Contudo, o cardiologista Evandro Osterne lembra que parar de fumar sozinho não é tarefa fácil porque o cigarro causa tanto a dependência química quanto a psicológica. Nesse sentido, estudos apontam que a abordagem multidisciplinar com os pacientes que buscam abandonar o vício é o método mais eficiente. O profissional defende a prática e diz que é fundamental o apoio diversificado em todo o tratamento.

“O fator psicológico tem grande peso na resolução do problema. Neste sentido e tendo em vista o momento atual, o coronavírus adicionou com certeza bastante dificuldade ao equilíbrio emocional das pessoas, fator fundamental para a decisão de parar de fumar e manutenção desta atitude pois a solidão pesa bastante no isolamento social, quase sempre necessário”, lembra o cardiologista.

Por este motivo, o acolhimento familiar e o atendimento multidisciplinar, seja ele presencial ou não, adquirem importância fundamental. Para a psicóloga, também do corpo clínico do ICTCor, Marianna Cruz, o tratamento multidisciplinar segue uma estratégia que visa atender de forma simultânea, ou seja, o paciente segue as orientações de cada profissional para atender às diversas demandas em todos os aspectos do ser humano.

Nesse tipo de tratamento é muito comum, e necessário, que o paciente seja acompanhado por diversos profissionais, de diversas especialidades, para o próprio paciente criar uma rede de apoio social para seu tratamento. A psicóloga esclarece que além da importância do acolhimento dessas pessoas que buscam ajuda, o desenvolver do tratamento depende também da sua abertura para receber o que cada abordagem tem a agregar no tratamento contra o tabagismo, e principalmente, o paciente precisa se responsabilizar por todo o processo.

“Todas as áreas possuem sua contribuição, e podem trazer diversos benefícios, contudo, o mais importante em todo esse processo é o sentido que o paciente dá para esse desafio que ele estabelece para ele mesmo”, pontua a profissional.

Marianna alerta que é preciso ter cautela para não fazer julgamentos e generalizar aspectos subjetivos do ser humano, no entanto, todo momento de grandes mudanças e desafios exigem uma demanda emocional de conexão pessoal e administração das emoções. Para a psicóloga, o isolamento social se reflete de formas diferentes nas pessoas. Há quem aproveite o momento para focar no autocuidado, seja com exercícios físicos, atenção à alimentação, estudos, cuidado com a espiritualidade e investimento na saúde emocional, enquanto outras pessoas focam em momentos de lazer e relaxamento, muitas vezes acompanhados por hábitos nocivos, com o objetivo de esquecer os problemas e preocupações. De acordo com Marianna Cruz, o mais importante é estar atento e consciente com os reais objetivos de vida para que as escolhas sejam coerentes.<br!></br!>
“Cultivar hábitos de autocuidado, em diversos aspectos do ser humano, é essencial nesse processo, inclusive de fortalecimento emocional. Contudo, a pessoa precisa compreender que ter uma ajuda profissional pode vir a ser necessária, principalmente em casos em que a pessoa não consegue ter esta autogestão sozinha. É fundamental que as pessoas também busquem e invistam em seu desenvolvimento pessoal, o que engloba a satisfação em seus relacionamentos interpessoais, autoconhecimento, autoestima, e a melhoria da administração das suas emoções. Por isso, principalmente neste momento em que vivemos de pandemia, a psicoterapia é extremamente indicada”, destaca.